O espaço entre

Lua Nova, 4 novembro 2021

Comecemos por reconhecer evidências — a instabilidade marca o momento atual, caracterizado por mudanças pessoais e coletivas a um ritmo cada vez mais acelerado e intenso, sendo as antigas estruturas substituídas por novos modelos à velocidade da Luz. Esta condição sísmica tem repercussões na matéria e também na psique individual e social, que se informam mutuamente. Buscamos juntos novos modos de fazer sentido, oscilando entre resistência e entrega.

O desafio maior da temporalidade será habitar na interseção vertical do presente, reconhecendo tanto passado e futuro como fumo. Para não nos perdermos nas histórias da mente trapaceira, temos, pois, de estar vivos aqui, agora. Uma das estratégias de enfoque meditativo apontada pelos mestres de várias tradições yóguicas é atentar no espaço entre as respirações.

A verdade reside nessa breve pausa após a inspiração, quando cheios de vida acolhemos o mundo, e logo no instante de suspensão após a expiração, quando contemplamos o vazio, mínima morte. Este espaço-tempo intersticial é em si mesmo um ensinamento sobre o ciclo de expansão e recolhimento em que pulsa o cosmos. Para mais, contém em si a semente de todas as possibilidades. Só contemplando o silêncio podemos agir em consciência. Aguça a espada da atenção e foca-te no espaço entre todas as coisas.

Image Diana V. Almeida