Ver de olhos fechados

Lua Cheia_2 setembro 2020

As últimas luas têm convidado a uma progressiva conexão com os nossos saberes intuitivos, capazes de aliar opostos — as dimensões consciente e inconsciente, visível e invisível. Deixamos a segurança do antigo sistema de crenças e começamos a construir um universo que obedece a uma lógica unitária. Superando a linguagem linear da soma e da competição, táticas separatistas usadas pelo poder instituído, é-nos pedida presença e responsabilidade, na consciência de que o Eu integra e reflete o Nós.

A soberania individual e a liberdade de escolha advêm de três Cs — coerência (a partir da investigação da verdade oculta, num processo por vezes violento, pois abala estruturas que escoravam o nosso quotidiano); conexão (abrindo o coração à sabedoria interna, transmitida pelo sonho, pela imaginação, pela certeza sem nome que nos inunda sem aviso); confiança (entrega à inteligência divina, sabendo que estamos a ser guiados para realizar um plano maior). A velocidade crescente a que todos estes ajustes se processam pode ser bem desafiante, nos dias que correm, acicatando estratégias de escapismo, como a vitimização (i.e., a desresponsabilização e a letargia que daí advém) e as tendências aditivas (seja através do consumo compulsivo de notícias alarmistas, de camisolas da moda ou de substâncias que alteram o equilíbrio físico-químico do corpo). Possamos, pois, agir em inteireza, seguindo os princípios do amor compassivo, e ver de olhos fechados (como os profetas cegos que habitam a literatura há séculos). A intuição é o instrumento que nos guia neste caminho.

Image Diana V. Almeida. Street Art, Lisboa