Entregar a dor

Lua Nova, 23 de novembro de 2022 Todos conhecemos o peso de ações incompletas, de recusas repetidas, o peso do desamor ou da perda dos seres que amámos. Desculpem, mas, ouvindo o José Mário Branco na cabeça, não resisto a citar Camões — “Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, / Muda-se o ser, muda-se a …

Entregar a dor Ler mais »

Ver do futuro

Lua Cheia, 9 outubro 2022 No seu magnífico livro Esperança Ativa: Como encarar o caos em que vivemos sem dar em doido, Joanna Macy e Chris Jonhstone propõem um exercício curioso. Os autores começam por reconhecer a gravidade da atual situação ecológica e humana, traçando três reações possíveis — a vidinha do costume, advogada por …

Ver do futuro Ler mais »

Tempo de colheita

Tempo de colheita Lua Nova, 25 setembro 2022 Esta lunação chega com duplo começo, unindo Sol e Lua logo após o equinócio de outono, em que dia e noite, os arquétipos masculino e feminino, encontram o equilíbrio, em igual intensidade. O facto de diversos planetas estarem retrógrados cria também a oportunidade de reavaliar percurso, preparando …

Tempo de colheita Ler mais »

Repetição e diferença

Repetição e diferença Lua Cheia, 10 setembro 2022 No nosso mundo veloz, sedentos de novidade, tendemos a desprezar a repetição. Queremos mais e diferente, segundo a lógica mercantilista, que apresenta como exercício de liberdade a escolha entre dezenas de produtos nas prateleiras do supermercado — todos eles com componentes idênticos, lidas as letras pequenas, e, …

Repetição e diferença Ler mais »

(Con)Sagrar o tempo

Lua Nova, 27 agosto 2022 Quando acordo, ainda embrulhada em sonhos, cada vez mais intensos nos últimos meses, começo por evocar os princípios do Reiki, numa espécie de oração — “Só por hoje vou ser grata, vou amar e respeitar todos os seres vivos, vou trabalhar honesta e arduamente sobre mim mesma, não me vou …

(Con)Sagrar o tempo Ler mais »

Ou vai ou racha

Ou vai ou racha Lua Cheia, 12 agosto 2022 Durante anos tive um sonho recorrente — viajava num autocarro apinhado, e quando se aproximava o meu destino começava a recolher toda a bagagem, enormes malas que mal conseguia arrastar até à porta, entre os corpos cerrados dos restantes passageiros; invariavelmente, acabava por só conseguir baixar …

Ou vai ou racha Ler mais »

Scroll to Top