Mais Amor

Lua Cheia, 19 dezembro 2021

E, num piscar de olhos, quando menos esperávamos, eis que termina o ano, em velocidade e turbulência. Trata-se sobretudo de um final simbólico, claro, já que os dias prosseguem em sequência infinita; somos, porém, seres culturais e vivemos num planeta em órbita que gera estações com diversas energias (o facto de esta Lua estar próxima do solstício de inverno amplia a sua importância, claro). Enquanto eu crescia, o ano 2000 era pura odisseia do espaço-tempo, algures para lá da possibilidade. 22 (vinte e dois, quase lá!) anos depois seguimos na Terra aos sacalões, cada vez mais acelerados e multidimensionais, dependendo da escolha vibracional de cada um no instante presente.

Estamos num daqueles momentos históricos em que as grandes estruturas político-sociais e económico-financeiras se esboroam diante dos nossos olhos incrédulos. Sim, tal gera medo, que será bom reconhecer e ultrapassar, com a receita mágica do enfoque aqui e agora, a cada respiração, para voltarmos ao corpo, deixando o labirinto da mente. Sim, tal gera insegurança, que será bom aceitar e superar, revendo valores e escolhas para melhor conseguirmos resistir aos próximos embates.

Mais do que nunca, importa, pois, alinharmos força com a nossa comunidade de Amor, partilhando recursos. É interessante observar em meu redor como vamos todos revendo narrativas, criando novos modos de comunicar, novos caminhos para o futuro conjunto, que queremos mais colaborativo e mais humano. Reconhecemos a importância da confluência de vontades, em conexão com a vitalidade e a alegria criativa, para juntos manifestarmos a Nova Terra de que vêm falando os mestres espirituais.

Estamos numa encruzilhada, os modelos conceptuais do passado já não servem, tampouco as velhas estratégias de ação; o futuro é uma incógnita que advirá das nossas escolhas (mais ou menos) conscientes. Como abraçar o presente senão através do Coração, ponte entre Terra e Céu, albergue da intuição, saber comunicante com o universo, em Amor? Mais Amor.

Image Diana V. Almeida. Street Art, Rio de Janeiro.