Lua Cheia, 14 junho 2022

O querido Thích Nhất Hạn, que me salvou a vida muitas vezes com as suas palavras, ensina uma meditação que pauta os dias dos noviços nos mosteiros budistas, recordando-os de ancorar o corpo na consciência da respiração, cultivando um espírito tranquilo. Para acompanhar o ciclo respiratório repetimos um mantra — inspiro calma, expiro um sorriso — que vamos materializando no sorriso sereno de Buda (ou da Mona Lisa, como queiram). O mestre elabora sobre esta prática convidando-nos a imaginar que nos encontramos num dia de verão muito quente e temos sede, recebendo o ar como um copo de água fresca que nos sacia e, de imediato, traz relaxamento ao corpo. De facto, ao esboçarmos um sorriso há centenas de músculos no rosto que entram em harmonia, descontraindo uma série de feixes musculares na zona do pescoço e dos ombros, que costumamos ter bem empedernida, na atual sociedade apressada e eficiente.

Do mesmo modo, podemos sorrir para dentro do corpo, iluminando com o nosso bem-querer os órgãos, as veias, os ossos, as células… Grande parte do trabalho de sobrevivência prossegue em modo automático, independente do nosso cuidado, e com ajustes a favor da harmonia, de acordo com a inteligência inata dos sistemas vivos. No entanto, sabemos também que o reconhecimento e o afeto contribuem para aprimorar o funcionamento dos organismos sencientes.

Podemos, pois, expressar gratidão ao nosso corpo reconhecendo o invisível trabalho de sustento que realiza para nos levar ao longo dos dias, permitindo a experiência da encarnação. Escolher dedicar algum tempo a este diálogo interno amoroso trará por certo maior coerência à nossa vida, no sentido mais amplo do termo. Apurar o sorriso interno é também reconhecer que somos templos vivos de mistério, em comunhão com uma infinitude de forças igualmente incognoscíveis, desde a nossa família até às galáxias mais distantes.

Inspira calma, expira um sorriso, dentro e fora, a cada instante. Todas as pequenas escolhas têm um impacto no mundo.

Image Diana V. Almeida. Street Art, Madrid.

Partilha:
Scroll to Top