Ou vai ou racha

Lua Cheia, 12 agosto 2022

Durante anos tive um sonho recorrente — viajava num autocarro apinhado, e quando se aproximava o meu destino começava a recolher toda a bagagem, enormes malas que mal conseguia arrastar até à porta, entre os corpos cerrados dos restantes passageiros; invariavelmente, acabava por só conseguir baixar parte dos meus pertences, e via depois o autocarro perder-se no pó da estrada. Ao acordar, sentia-me compelida a esvaziar os armários (vaidade, a quanto obrigas!) e assaltava-me a culpa por certo pendor materialista (este gosto pela biblioteca, que opto por não desmaterializar em bytes!). Lia, porém, os símbolos de modo demasiado literal, então, sem perceber que o peso vem mais das crenças do que das coisas.

De facto, a renúncia aos bens materiais pode ser mero jogo de negação, por medo de sermos incapazes do livre usufruto da matéria, sem apego maior. Ou podemos estar presos em esquemas mentais de escassez e privação, que nos impedem de materializar abundância. A questão será, pois, perfurar a superfície e chegar a compreender o que me prende, aquilo que me torna inflexível e pesaroso — olhar de frente a dor e escolher (vez após vez) curar as feridas, de modo a podermos seguir em fluxo prazeroso, cultivando o dom da confiança na sacralidade da vida.

Somos agora chamados a processar medos e traumas a uma velocidade ultrassónica, na certeza de sermos dotados de superpoderes, que podemos convocar através da disciplina ética, de práticas físicas e energéticas (as artes marciais, a meditação, o yoga, sim!), de escolhas diárias (tanto a nível da alimentação como do repouso ou da proximidade com a natureza, por exemplo), da oração e da união em comunidade.

Neste momento de intensidade explosiva, dentro e fora, radicaliza-se a escolha entre entrega ou resistência. Rendidos ao plano divino, alinhados pelo nosso compasso interno (também chamado intuição), seguimos em crescente sintonia, abençoados. Contrariando o convite de crescimento e de maturação individual e coletiva, permanecemos prisioneiros da narrativa de vitimização, acentuando neuroses. Como sempre, a escolha é tua — ou vai ou racha!

Image Diana V. Almeida

Sobre o meu trabalho — Energia / Criatividade / Visão

+ No Afinar o Coração trabalho com técnicas de terapia energética, cristais, óleos essenciais, voz e taças tibetanas. Faço também sinergias de óleos essenciais personalizadas. Cura-te!

+ O Escrever o Coração une técnicas meditativas e de yoga, com estratégias de criatividade, ao encontro de ti mesmo. Escreve-te!

+ Nos Rituais Fotográficos, usamos o potencial da imagem para reforçar a autoestima. O Retrato Sagrado honra o corpo como veículo da alma, nesta encarnação. O Corpo Vivo: Deusa Grávida celebra o erotismo dos corpos que dão vida. Olha-te!

Próximos eventos

A 10 de setembro, Lua Cheia, vamos Caminhar no Coração, na serra de Sintra, guiados pela Maria João Ferraz, com exercícios de yoga, meditação e escrita propostos por mim.

Escrever o Coração_Escrita de Mim é um curso de 24h online, que decorre entre 17 de setembro e 26 de novembro, para quem quer aperfeiçoar técnicas de expressão autobiográfica.

Escrever o Coração_7 Escritas é um curso online, que decorre entre 24 de setembro de 2022 e 21 de janeiro de 2023, estruturado a partir dos 7 principais chakras como portais para o autoconhecimento e harmonização.

Em agosto, dou aulas de Kundalini Yoga na Quinta Ten Chi (Dojo Zen), sexta das 12h30 às 14h. A partir de meados de setembro, começarei a dar aulas no Espaço Mahatma, no centro de Janas, segunda das 11h30 às 13h.

Para mais informação, viaja no site ou envia-me uma mensagem privada, por favor.

Bem-hajas!

Partilha:
Scroll to Top