#lua

O rosto de Deus

O rosto de Deus Lua Cheia, 6 abril 2023 E se tivesses aqui vindo para dar corpo ao divino? Se cada momento desta vida fosse um hino à criação? Se Deus, a Deusa, o Grande Espírito, a Consciência Cósmica, o Ser Sem Nome — cuja virtual nomeação reside além da faculdade da linguagem, do entendimento […]

O rosto de Deus Read More »

Uma vénia profunda

Lua Nova, 21 fevereiro 2023 Nas culturas orientais, ainda hoje é usual a vénia. Também na tradição do Kundalini Yoga terminamos sempre as aulas com uma vénia, saudando os mestres que trouxeram até nós estes ensinamentos e entregando-nos ao poder maior que tudo rege.  Este gesto singular, que, ao olhar desatento, poderá parecer mero sinal

Uma vénia profunda Read More »

Real Luz

Lua Cheia, 5 fevereiro 2023 Já vi dezenas de belos concertos, na vida. Creio, porém, poder eleger o melhor (que, curiosamente, foi um dos mais minimalistas). Regresso ao cálido verão de 2005, no Anfiteatro Keil do Amaral, em Monsanto, quando, após uma performance algo ruidosa da Zap Mama, entrou em palco Ali Farka Touré. Era

Real Luz Read More »

Eu-tu-aqui-agora

Lua Nova, 22 janeiro 2023 Quando entrei para a faculdade, o desejo de saber tornava a aprendizagem constante revelação, com o privilégio de ter sido iniciada no estudo das “línguas e literaturas modernas” (como então se designava o curso) por um corpo docente de excelência, na companhia de algumas colegas próximas, com quem ainda hoje

Eu-tu-aqui-agora Read More »

O que te move?

Lua Cheia, 6 janeiro 2023 Eu em menina, queria ser médica, brincava às escolas, adorava desenhar, passava dias a ler, escrevia diários, histórias e poemas que comecei a bater à máquina. Nunca me cansava de salvar os amigos jogados ao chão a fingir doença, prenunciando a minha vocação de terapeuta holística. Frente ao quadro, giz

O que te move? Read More »

Entregar a dor

Lua Nova, 23 de novembro de 2022 Todos conhecemos o peso de ações incompletas, de recusas repetidas, o peso do desamor ou da perda dos seres que amámos. Desculpem, mas, ouvindo o José Mário Branco na cabeça, não resisto a citar Camões — “Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, / Muda-se o ser, muda-se a

Entregar a dor Read More »

Scroll to Top